Museu Ferreira de Castro

Tendo o escritor Ferreira de Castro manifestado o desejo de que os seus restos mortais permanecessem em Sintra - como veio a suceder -, aceitou de bom grado a sugestão do "dois notáveis escritores, sintrense um, outro lisboeta, no sentido de que essa doação se fizesse. Trata-se de Francisco Costa, então director da Biblioteca Municipal, e Alexandre Cabral, que tinha na Camiliana de Sintra um apreciável acervo bibliográfico e documental para o desenvolvimento da sua investigação.

O primeiro mentor desta ideia terá sido, contudo, o então presidente da Câmara, António José Pereira Forjaz, que em carta de 10 de Abril de 1973, dirigida ao romancista, manifestava alvoroçadamente o seu júbilo, depois de verificada a conformidade da doação com as disposições legais.

O Museu abriu as sua portas em 6 de Junho de 1982. Encerrado para obras três anos mais tarde, reabriria em 22 de Julho de 1992, após remodelação dos conteúdos expositivos e de elaboração de um novo guia para o visitante.

O Museu Ferreira de Castro apresenta cronologicamente o percurso vivencial do escritor, agrupado em núcleos temáticos: 

  • "Infância" (1898-1911), refere-se à meninice do escritor, na "aldeia nativa" de Salgueiros, freguesia de Ossela, concelho de Oliveira de Azeméis, período de íntimo contacto com a verdejante natureza da região, que tanto iria marcá-lo. 
  • "No Brasil - Da selva amazónica a Belém do Pará" (1911-1919), relata a época em que Ferreira de Castro vive, ainda criança e sozinho, num seringal da Amazónia (até 1914) e a dramática e rocambolesca vivência em Belém. Dos muitos objectos de interesse expostos, destaque-se o manuscrito de Criminoso por Ambição, máscaras dos índios Parintintins (tribo já extinta), terra do seringal onde Castro trabalhou, e exemplares de Criminoso por Ambição e Alma Lusitana, ambos de 1916, os primeiros títulos que publicou. 
  • "O Regresso - Jornalismo e obra renegada" (1919-1927), mostra parte da actividade jornalística e exibe os livros que correspondem à primeira fase de Ferreira de Castro - de Mas... (1921) a O Voo nas Trevas (1927) --, por ele suprimidos das suas obras completas e que hoje são raridades bibliográficas. 
  • "Triunfo - De Emigrantes à direcção de O Diabo" (1928-1935); "O Último Vagamundo" (viagens, 1929-1939); "O Mestre - De A Tempestade a Os Fragmentos" (1940-1974) contemplam o tempo em que Ferreira de Castro pontificou como autor proeminente do Portugal de então. É o período de A Selva, Terra Fria, A Lã e a Neve, A Curva da Estrada, A Missão...

O escritor português mais traduzido do seu tempo, na última sala expõem-se traduções das suas obras em diversas línguas.

No conjunto, o visitante tomará contacto com edições raras, manuscritos, objectos pessoais, ilustrações originais para os seus livros e outros espécimes relacionados com a vida e a escrita do romancista. O Museu apresenta também telas e desenhos originais de Arlindo Vicente, Bernardo Marques, Cândido Portinari, Elena Muriel, Jorge Barradas, José Rodrigues, Júlio Pomar, Roberto Nobre e Stuart Carvalhais, entre outros. 

Morada
Museu Ferreira de Castro
Rua Consigleri Pedroso, nº 34
Vila Velha S. Martinho
2710 - 550 Sintra,
Tel: +35121 923 88 28
Fax: +35121 923 88 28
Email:  museu.fcastro@cm-sintra.pt  

Horário

10.00h - 18.00h
Sáb - dom: 12.00h - 18.00h
A admissão de visitantes até 1h antes do fecho
Encerra à 2ª feira e feriados.

Entrada
1,00 Euro 

Características e Serviços
Visitas Guiadas
Instalações sanitàrias
Actividades de Animação: Visitas guiadas a grupos escolares com marcação prévia; programação anual de ciclo de conferências.

Descrição de Acessos
Paragem de autocarro e praça de táxis a 50 metros

cms 320x191SintraInnActive Sintraturismoportugal 320x191tripadvisor 320x191 
TOPO